Header Ads

A Aplicação da Sabedoria: Trabalho

A Aplicação da Sabedoria: Trabalho
Quando consideramos o assunto, trabalho; as palavras de Salomão em Eclesiastes fornecem um ponto de partida apropriado: "Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças; porque no Seol, para onde tu vais, não há obra, nem projeto, nem conhecimento, nem sabedoria alguma" (Eclesiastes 9:10). Nosso tempo aqui na terra é limitado. Portanto, devemos trabalhar duro no tempo que temos. Uma vez que nossas vidas aqui terminar, não haverá nenhuma oportunidade de fazer o que nós deveríamos ter feito durante nosso tempo sob o sol. Assim, o sábio gasta muito tempo no livro de Provérbios discutindo o importante tema: trabalho.

A virtude e as recompensas do trabalho

Aprendemos nos escritos de Salomão que o trabalho não é apenas necessário e honroso, mas também conduz a bênçãos de Deus ao realizarmos as responsabilidades que temos na vida.
"Em todo trabalho há proveito; meras palavras, porém, só encaminham para a penúria" (14:23).
Alguns parecem ter a ideia de que algum tipo de trabalho vale a pena, mas outro tipo de trabalho é inútil. Certamente é verdade que, do ponto de vista financeiro, certos tipos de trabalho são mais lucrativos do que outros. Mas Salomão diz que "todo trabalho" é lucrativo. Ele então nos adverte contra gastar todo o nosso tempo simplesmente conversando e planejando sobre o que poderíamos fazer. É fácil tornar-se tão distraído por planos e sonhos que não realizamos qualquer trabalho real. Não importa o quão bons os nossos planos ou quão ambiciosos são nossos sonhos, eles são inúteis se nunca fizermos qualquer trabalho para tornar esses planos uma realidade.
"A glória dos jovens é a sua força; e a beleza dos velhos são as cãs" (20:29).
Salomão diz que os "velhos" têm a vantagem da experiência e sabedoria (implícita em "cabelos grisalhos"). Em contraste, os "jovens" têm sua força. Portanto, Jeremias disse: "Bom é para o homem suportar o jugo na sua mocidade" (Lamentações 3:27). Com demasiada frequência, os jovens em nossa sociedade querem fazer o menos possível para sobreviver. Talvez eles pensem que o tempo para o trabalho duro é quando eles estiverem mais velhos. Talvez eles estão esperando descobrir algum esquema "fique rico rápido", de modo a evitar a necessidade de trabalhar duro. Qualquer que seja a motivação, os jovens que se esforçam para seguir a sabedoria de Deus, ao invés da sabedoria mundana, devem usar a força de sua juventude para trabalhar duro, ao invés de seguir seus companheiros no caminho da preguiça e atividades fúteis e infantis.
"O apetite do trabalhador trabalha por ele, porque a sua fome o incita a isso" (16:26).
Quando Deus criou o homem, ele lhe deu um indicador natural em seu próprio corpo que lhe lembraria a necessidade de comer para sustentar sua vida – o apetite. Salomão diz que esse apetite motiva o homem a trabalhar duro para que possa se sustentar do fruto de seus trabalhos. Uma das razões pelas quais muitos ficam presos na rotina da preguiça é porque eles não sentem a motivação do apetite para exortá-los a trabalhar duro. Quando a preguiça é recompensada ou subsidiada, as pessoas continuarão na preguiça. Quando a preguiça faz com que alguém fique com fome, as pessoas eventualmente aprenderão que devem trabalhar para que possam comer. Mais tarde, no livro de Provérbios, Agur menciona três coisas que estremece a terra e quatro sob as quais "não pode suportar" (30:21). Um deles é "o tolo quando se farta de comer" (30:22). Quando se recusa a trabalhar e sofre fome por causa disso, ele se prejudica. Quando se recusa a trabalhar, mas é recompensado por sua preguiça com o alimento e as necessidades da vida, a sociedade é prejudicada por causa disso.
"Os planos do diligente conduzem à abundância; mas todo precipitado apressa-se para a penúria" (21:5).
Anteriormente, notamos como falar dos planos de alguém, sem realmente trabalhar para realizar esses planos, leva à pobreza (14:23). Os planos que Salomão menciona neste versículo não são sonhos ociosos. Pelo contrário, são planos que pertencem ao diligente. Quando a cuidadosa premeditação é acoplada com esforço diligente, obtém-se um grau de prosperidade (geralmente falando). No entanto, muitos fogem do trabalho diligente e reflexivo, esperando, em vez disso, ganhar prosperidade através de engano, impulsividade ou algum esquema de "ficar rico rápido". Salomão, porém, adverte: "todo precipitado apressa-se para a penúria". Ele diz em outra parte: "O homem fiel gozará de abundantes bênçãos; mas o que se apressa a enriquecer não ficará impune" (28:20). No ponto sobre o trabalho diligente e reflexivo, Salomão diz: "Vês um homem hábil na sua obrar? Esse perante reis assistirá; e não assistirá perante homens obscuros" (22:29). O homem será reconhecido e honrado por sua habilidade em seu trabalho. Esta habilidade não vem por acaso, mas por diligência e perseverança.
"A mão dos diligentes dominará; mas o indolente será tributário servil" (12:24).
Salomão diz que tanto o homem diligente quanto o preguiçoso trabalharão. Aqueles que são preguiçosos sempre estão tentando evitar o trabalho. Mas, eventualmente, o trabalho é inevitável. Em algum momento, será necessário que alguém trabalhe para si mesmo depois que aqueles que o estavam apoiando já não estão dispostos a fazê-lo, ou seus recursos que foram usados para ajudar se esgotaram. No entanto, alguém que é auto motivado e está disposto a trabalhar para prover para si mesmo (em vez de ser forçado a fazê-lo), vai governar. Como resultado de sua diligência, experiência e habilidade, ele terá se colocado em uma vantagem sobre aquele que desperdiçou seu tempo em perseguições vazias.

Consequências de recusar o trabalho

O homem sábio nos adverte que há consequências por se recusar a trabalhar. Essas consequências vão além de simplesmente perder as bênçãos do trabalho. Há também consequências negativas que vêm para aqueles que se recusam a trabalhar.
"O caminho do preguiçoso é como a sebe de espinhos; porém a vereda dos justos é uma estrada real" (15:19).
Há dois caminhos que se pode levar na vida - "o caminho do preguiçoso" e "o caminho dos justos". No contexto, o justo é aquele que é um trabalhador diligente. Aquele que é preguiçoso tenta evitar o trabalho duro em que o homem diligente se compromete. No entanto, este versículo menciona as dificuldades que vem da preguiça. O caminho do homem diligente é uma estrada - clara e fácil de viajar. O caminho do preguiçoso passa por uma cobertura de espinhos. O ponto é que tudo é mais difícil para quem não desenvolve a habilidade ou possui a inclinação de trabalhar.
"O que lavra a sua terra se fartará de pão; mas o que segue os ociosos se encherá de pobreza" (28:19).
Percebemos mais cedo que "Os planos do diligente conduzem à abundância" (21:5). O caminho para a prosperidade não é curto, mas leva tempo e requer que se siga certos procedimentos - neste caso, lavrar sua terra para que ele possa mais tarde colher a colheita. Salomão diz: "O preguiçoso não lavra no outono; pelo que mendigará na sega, e nada receberá" (20:4). Mesmo se perceber seu erro no final do ano, será tarde demais. Ele não pode começar a plantar quando é hora de colher. Muitas vezes, quando alguém não faz o que precisa ser feito no tempo apropriado, ele sofrerá por isso. "A preguiça faz cair em profundo sono; e o ocioso padecerá fome" (19:15).
"Aquele que é remisso na sua obra é irmão do que é destruidor" (18:9).
Há uma semelhança entre alguém que é preguiçoso e alguém que é destruidor. Um está destruindo ativamente o que está ao seu redor ("aquele que destrói"). O outro está destruindo passivamente (aquele que é "remisso em seu trabalho"). A próxima passagem explica como a preguiça é destrutiva.
"Passei junto ao campo do preguiçoso, e junto à vinha do homem falto de entendimento; e eis que tudo estava cheio de cardos, e a sua superfície coberta de urtigas, e o seu muro de pedra estava derrubado. O que tendo eu visto, o considerei; e, vendo-o, recebi instrução. Um pouco para dormir, um pouco para toscanejar, um pouco para cruzar os braços em repouso; assim sobrevirá a tua pobreza como um salteador, e a tua necessidade como um homem armado" (24:30-34).
Por negligência, o campo que antes era fértil havia se tornado "completamente coberto de cardos". Por falta de manutenção, o muro de pedra que uma vez serviu como um bom limite estava "derrubado". Isso veio como resultado da preguiça do proprietário e da recusa em cuidar do que lhe pertencia. O resultado final não foi essencialmente diferente do que se alguém tivesse entrado e destruído ativamente essas coisas. A consequência de sua negligência destrutiva foi que ele se tornaria pobre e desprovido.

A descrição do preguiçoso

A fim de motivar alguém a trabalhar, Salomão descreve as condições do preguiçoso para que possamos evitar ser como ele.
"O preguiçoso deseja, e coisa nenhuma alcança; mas o desejo do diligente será satisfeito" (13:4).
Todo mundo tem desejos que desejam ser realizados - das necessidades básicas da vida (o desejo de comida, roupas e abrigo), a vários confortos e luxos da vida. Quem é diligente tem uma maneira de obter o que deseja - o trabalho. O preguiçoso, porque não está disposto a trabalhar, "deseja e não alcança nada". Salomão depois diz: "O desejo do preguiçoso o mata; porque as suas mãos recusam-se a trabalhar. Todo o dia o ímpio cobiça; mas o justo dá, e não retém" (21:25-26). O justo pode ser generoso por causa da recompensa que recebe do seu trabalho diligente (Efésios 4:28). O preguiçoso, por causa de sua recusa em trabalhar, não só terá de viver sem certas coisas, mas sua preguiça realmente ajuda a trazer destruição sobre si mesmo.
"O preguiçoso não apanha a sua caça; mas o bem precioso do homem é para o diligente" (12:27).
Sem apanhar sua presa, o esforço que se fez na caça é inútil. Não faz bem começar o trabalho e depois não o terminar. A diligência é chamada de "bem precioso" porque permite que se termine o trabalho que ele começa para que ele possa desfrutar dos frutos de seu trabalho.
"O preguiçoso esconde a sua mão no prato, e nem ao menos quer levá-la de novo à boca" (26:15).
Este versículo é quase idêntico ao encontrado alguns capítulos anteriores (19:24). Ele descreve o estado totalmente miserável do preguiçoso. Mesmo que ele esteja tão perto de completar o que parece ser o mais básico de todas as tarefas - alimentar a si mesmo - ele nem sequer tem a vontade de levar a mão de volta à boca. Isso deve servir como um aviso dos efeitos destrutivos e progressivos da preguiça. Quando alguém se entrega à preguiça, tarefas difíceis tornam-se impossíveis. As tarefas razoáveis tornam-se um fardo excessivo. As tarefas fáceis resultam ser mais do que se pode deliberadamente gerenciar.
"Como a porta se revolve nos seus gonzos, assim o faz o preguiçoso na sua cama" (26:14).
Embora uma porta pode ter movimento na abertura e no fechamento, porque permanece em suas dobradiças, nunca vai realmente a qualquer lugar. Salomão diz que o mesmo é verdadeiro com o preguiçoso em sua cama. Embora ele possa se mexer e virar, enquanto ele permanecer em sua cama, ele nunca irá a lugar algum nem realizará nada, provocando assim sua própria destruição. Como diz o sábio: "A preguiça faz cair em profundo sono; e o ocioso padecerá fome" (19:15).
"Diz o preguiçoso: Um leão está no caminho; um leão está nas ruas" (26:13).
Este versículo é simplesmente sobre um preguiçoso apresentando desculpas em uma tentativa de justificar sua preguiça. Uma passagem semelhante diz: "Diz o preguiçoso: um leão está lá fora; serei morto no meio das ruas" (22:13). O preguiçoso usa a presença de um leão perigoso (supondo que esta não era uma desculpa artificial) para justificar o seu permanecer em casa, na cama (26:14), não cuidar de si mesmo (26:15), e todo o tempo pensando que ele é "Mais sábio... a seus olhos do que sete homens que sabem responder bem" (26:16). No entanto, o preguiçoso não é sábio por se recusar a sair e trabalhar para prover para si mesmo - mesmo com um leão lá fora. Se havia um leão real lá fora, o preguiçoso poderia ter feito uma de duas coisas: ou matar o leão ou evitar o leão. Mas ele se recusou a fazer qualquer uma dessas coisas. Muitas vezes as pessoas tendem a apresentar desculpas para tentar justificar a sua preguiça, em vez de simplesmente lidar com os problemas e obstáculos na frente deles. O preguiçoso é quem dá desculpas. O homem sábio vai encontrar uma maneira de contornar qualquer obstáculo que se apresenta.

Admoestação ao preguiçoso

Depois de descrever o preguiçoso e explicar algumas das consequências da recusa de trabalhar, voltamos nossa atenção para a admoestação de Salomão ao preguiçoso.
"Vai ter com a formiga, ó preguiçoso, considera os seus caminhos, e sê sábio; a qual, não tendo chefe, nem superintendente, nem governador, no verão faz a provisão do seu mantimento, e ajunta o seu alimento no tempo da ceifa. o preguiçoso, até quando ficarás deitado? Quando te levantarás do teu sono? Um pouco para dormir, um pouco para toscanejar, um pouco para cruzar as mãos em repouso; assim te sobrevirá a tua pobreza como um ladrão, e a tua necessidade como um homem armado" (6:6-11).
O preguiçoso pode aprender com a observação da formiga.

Primeiro, a formiga é auto motivada. Embora não tenha "nenhum chefe, superintendente ou governante", ela realiza o trabalho que é necessário que ela faça. Não precisa esperar para ser dito o que é exigido dela.

Em segundo lugar, a formiga é preparada para o futuro. Durante os meses de inverno não há comida para ser encontrada. Assim, a formiga trabalha duro durante o verão e a colheita, a fim de ter comida no inverno.

Em terceiro lugar, a formiga não procrastina. Nos meses de verão, a formiga começa a ajuntar para o inverno. No entanto, o preguiçoso prefere dormir a trabalhar, e, como resultado, negligencia fazer o trabalho necessário para prover para si mesmo. Devido a isso, ele vai encontrar-se na pobreza e ser forçado a mendigar (24:33-34; 20:4).
"Não ames o sono, para que não empobreças; abre os teus olhos, e te fartarás de pão" (20:13).
O sono é necessário. Mas o trabalho também é necessário. Neste contexto, quem ama o sono não é aquele que simplesmente aprecia os benefícios do sono e compreende a necessidade de descanso para ajudá-lo a realizar as responsabilidades que ele tem na vida. Em vez disso, aquele que ama o sono é aquele que negligencia suas responsabilidades para dormir. Para ele, o descanso não é uma maneira de recarregar do trabalho, mas uma maneira de evitar o trabalho. Se queremos ser "fartos de pão", o que significa que temos meios suficientes de prover para nós mesmos, não devemos "amar o sono" como o preguiçoso.
"Quatro coisas há na terra que são pequenas, entretanto são extremamente sábias; as formigas são um povo sem força, todavia no verão preparam a sua comida; os querogrilos são um povo débil, contudo fazem a sua casa nas rochas; os gafanhotos não têm rei, contudo marcham todos enfileirados; a lagartixa apanha-se com as mãos, contudo anda nos palácios dos reis" (30:24-28).
Nós já notamos como o preguiçoso é rápido para dar desculpas (26:13; 22:13). Agur menciona "quatro coisas que são pequenas na terra" que podem servir como um exemplo para o preguiçoso. As formigas não são fortes, mas trabalham duro, se recusam a procrastinar, e "preparam a comida no verão" (30:25, ver 6:8). Os querogrilos (criaturas pequenas que são semelhantes aos coelhos) podem ser vulneráveis aos predadores por causa de seu tamanho, mas se protegem fazendo "suas casas nas rochas" (30:26).

Os gafanhotos, embora não tenham governante, se unem para proteção mútua e benefício (30:27). A lagartixa é pequena o suficiente para um pegar em suas mãos, mas, por causa de sua capacidade de entrar em lugares difíceis de alcançar, é capaz de encontrar um lugar "nos palácios dos reis" (30:28). Cada um deles tem desafios que tornam a sobrevivência difícil - particularmente no que diz respeito às suas características físicas inerentes. Mas apesar de suas supostas deficiências, eles simplesmente fazem o que é necessário para sua sobrevivência. Faríamos bem em aprender com essas quatro pequenas criaturas. Em vez de apresentar desculpas, devemos simplesmente usar os talentos e vantagens peculiares que temos e fazer o trabalho que somos responsáveis por fazer.

Próximo: A Aplicação da Sabedoria: Mordomia (Parte 1)

Você deseja ser um pregador? Preparar seus próprios sermões? Tenho uma grande novidade para você!

Kit Curso Pregador Completo! Como preparar sermões e pregar a Bíblia! Conheça as ferramentas e técnicas para se tornar um exímio pregador e um orador eficaz!

Se você deseja um curso prático para se tornar um grande Pregador, terá à disposição um excelente material! Clique Aqui para adquirir seu kit.

Nenhum comentário

Os comentários deste blog são todos moderados, ou seja, eles são lidos por nós antes de serem publicados.

Não serão aprovados comentários:
1. Não relacionados ao tema do artigo;
2. Com pedidos de parceria;
3. Com propagandas (spam);
4. Com link para divulgar seu blog;
5. Com palavrões ou ofensas a quem quer que seja.

ATENÇÃO: Comentários com links serão excluídos!

Tecnologia do Blogger.