Header Ads

Estudo sobre a Fé

Estudo sobre a Fé
Introdução

Muitas pessoas no mundo - especialmente no mundo religioso - gostam de falar sobre a fé. Mas o que é fé? As Escrituras nos ajuda a responder a essa pergunta.
  • A fé é a crença em Deus que contém um "firme fundamento das coisas que se esperam" e uma "convicção de fatos que se não veem" (Hebreus 1:1).
  • A fé é a confiança em Deus como "recompensa aqueles que o buscam" (Hebreus 11:6).
  • A fé é a determinação de obedecer ao Senhor (Romanos 1:5; 16:26).
  • A fé não nos é dada miraculosamente; em vez disso, "vem do ouvir, e o ouvir pela palavra de Cristo" (Romanos 10:17).
Essas passagens explicam o que é fé, o que a fé faz, e qual é a fonte da fé. Mas por que tudo isso importa? Qual é o ponto de crer, confiar, e obedecer a Deus?

Há várias razões apresentadas na Escritura a respeito de porque a fé é importante. Nesta série de lições, vamos considerar algumas das razões por que a fé é importante para que possamos ser motivados a "viver pela fé" (Romanos 1:17).

A fé nos permite agradar a Deus

"Ora, sem fé é impossível agradar a Deus; porque é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe, e que é galardoador dos que o buscam" (Hebreus 11:6).

A fé não só nos permite agradar a Deus, como é impossível agradar a Deus sem ela. "...os antigos alcançaram bom testemunho" de Deus pela fé (Hebreus 11:2). Vários destes heróis da fé foram citados pelo escritor hebreu neste capítulo como exemplos para os cristãos.

Lembre-se que nós observamos na introdução - o que é fé e o que a fé faz. Fé envolve acreditar em Deus, confiar em Deus e obedecer a Deus. Estes são todos necessários, a fim de agradar a Deus.
  • Devemos crer em Deus, a fim de agradar a Deus. Referindo-se aos gentios, Paulo escreveu: "porquanto, tendo conhecido a Deus, contudo não o glorificaram como Deus, nem lhe deram graças, antes nas suas especulações se desvaneceram, e o seu coração insensato se obscureceu" (Romanos 1:21). Embora eles tinham ampla evidência para acreditar na existência de Deus (Romanos 1:20; Salmo 19:1; Atos 14:17), eles rejeitaram esta evidência. Neste estado de recusar-se a acreditar na existência de Deus, eles nunca lhe honram com Deus.
  • Devemos confiar em Deus, a fim de agradar a Deus. O homem sábio disse: "Confia no Senhor de todo o teu coração, e não te estribes no teu próprio entendimento" (Provérbios 3:5). A medida que ele continuou, explicou uma das maneiras de se fazer isso: "Honra ao Senhor com os teus bens, e com as primícias de toda a tua renda" (Provérbios 3:9). Honrar a Deus com as primícias de toda a sua renda, demonstra que é uma prioridade honrar a Ele. Não só isso, mas é também uma indicação de que se confia em Deus - o doador de todas as coisas boas (Tiago 1:17) - então Ele iria continuar provendo mesmo após as primícias serem recebidas. Paulo disse que não devemos “colocar a nossa esperança na incerteza das riquezas, mas em Deus, que nos concede abundantemente" (1 Timóteo 6:17).
  • Devemos obedecer a Deus, a fim de agradar a Deus. Paulo disse aos irmãos em Colossos: "Andai de modo digno do Senhor, para agradá-Lo em todos os aspectos" (Colossenses 1:10). O andar se refere ao modo de vida. Para agradar a Deus, eles precisavam viver uma vida de obediência. Devemos "andar na luz, como ele está na luz", a fim de ser purificados de nossos pecados. (1 João 1:7). Lembre-se do exemplo dos israelitas e como eles regularmente desobedeciam a Deus (1 Coríntios 10:5-11). A desobediência deles estava diretamente ligada à falta de fé. Ao citar este exemplo, o escritor hebreu usa a desobediência e a incredulidade como sinônimos: "E a quem jurou que não entrariam no seu descanso, senão aos que foram desobedientes? E vemos que não puderam entrar por causa da incredulidade" (Hebreus 3:18-19).
Nosso propósito na vida é agradar a Deus. Quando João teve uma visão do céu, viu criaturas e anciãos ao redor do trono, louvando a Deus porque Ele "criou todas as coisas, e por [sua] vontade são e foram criadas" (Apocalipse 4:11). Todas as coisas foram criadas porque era a vontade de Deus que elas fossem criadas. Elas existem, a fim de agradar a Deus.

Muitas vezes salientamos que o nosso propósito na vida é "temer a Deus e guardar os seus mandamentos" (Eclesiastes 12:13). Ambos - agradar a Deus e obediência reverente - estão diretamente ligados à nossa fé. Se não temos fé em Deus, não há motivação para se esforçar para agradar a Deus. Além disso, se não temos fé em Deus, nós não teremos nenhuma razão para temê-lo ou obedecê-Lo. A fim de cumprir o nosso propósito na vida - devemos viver de tal forma que seja agradável a Deus - temos que ter fé, pois "sem fé é impossível agradar a Deus" (Hebreus 11:6).

A fé leva a nossa justificação

"Portanto, tendo sido justificados pela fé, temos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo" (Romanos 5:1).

Paulo disse aos santos em Roma que somos "justificados pela fé". Muitas pessoas religiosas leem este versículo - e outros gostam dele - e inserem a palavra “somente” depois de fé. Eles, então, usam passagens como essa para "provar" que somos salvos pela fé, independentemente de quaisquer obras de obediência.

No entanto, a única vez que "somente a fé" ou "fé" é usada na Bíblia está em Tiago 2:24 - "Vedes então que é pelas obras que o homem é justificado, e não somente pela fé". Como vimos anteriormente, a obediência é uma parte inerente da fé bíblica.

Paulo inclusive abordou este ponto em sua carta aos romanos em que ele supostamente estabeleceu a ideia de que somos justificados pela fé somente (como muitos no mundo religioso acreditam). No início da epístola, escreveu ele, "pelo qual recebemos a graça e o apostolado, por amor do seu nome, para a obediência da fé entre todos os gentios" (Romanos 1:5). Ele também fechou a carta com uma menção da "obediência da fé" (Romanos 16:26). Quando Paulo falou sobre ser "justificados pela fé" (Romanos 5:1), ele estava se referindo a uma fé obediente.

Nós somos "justificados pela fé" (Romanos 5: 1), mas o que é justificação? Justificação é declarar alguém justo ou reto. Isso não significa que Deus ignora os nossos pecados e nos chama justos, apesar deles. Em vez disso, devemos praticar a justiça para sermos chamado de justos. João escreveu: "Filhinhos, ninguém vos engane; quem pratica a justiça é justo, assim como ele é justo" (1 João 3:7).

No entanto, o fato de que ser justos exige que pratiquemos a justiça, não significa que somos justos por nossa conta. Paulo, ao citar os Salmos, disse aos romanos: "Não há justo, nem um sequer" (Romanos 3:10; Salmo 14:3; 53:3). A razão pela qual ninguém poderia ser chamado de justo era porque "todos pecaram e estão destituídos da glória de Deus" (Romanos 3:23).

Como podemos conciliar essas passagens? Por um lado, João declarou que aquele que pratica a justiça é justo (1 João 3:7). Por outro lado, Paulo indicou que ninguém é justo, porque todos pecaram (Romanos 3:10, 23). Essas passagens se contradizem?

A Bíblia não contém contradições. Jesus disse: "A Escritura não pode ser anulada" (João 10:35). O que isto significa é que quando entendemos corretamente o contexto de cada passagem, uma passagem não vai ficar em oposição à outra passagem.

Como, então vamos harmonizar essas passagens? Nós certamente devemos praticar a justiça, mas nossas ações por si só não nos tornam justos. Deus, e somente Deus pode nos declarar justos; mas Ele vai fazê-lo quando nos encontramos Suas condições. Portanto, devemos concluir que a justificação é possível por causa do perdão. Pecamos, mas quando somos perdoados de nossos pecados, podemos ser considerados justos à medida que praticamos a justiça.

Portanto, visto que a fé leva a nossa justificação, e a justificação só é possível por causa do perdão, então devemos concluir que o perdão está inseparavelmente ligado à nossa fé. Sem fé, não podemos ser perdoados. A incumbência de Paulo de que ele recebeu do Senhor foi para ir aos gentios e "para lhes abrir os olhos a fim de que se convertam das trevas à luz, e do poder de Satanás a Deus, para que recebam remissão de pecados e herança entre aqueles que são santificados pela fé em mim" (Atos 26:18). O perdão é para aqueles que foram "santificados pela fé".

Deus não nos desafiou a tentar ganhar nossa salvação por meio de nossas obras. Ao contrário, Ele nos chamou para atender suas condições de perdão e praticar a justiça, para que possamos ser justificados diante dele.

A fé nos permite ser filhos de Deus

"Pois todos sois filhos de Deus pela fé em Cristo Jesus" (Gálatas 3:26)

É uma grande bênção para ser “Filhos de Deus”. João escreveu: "Vede que grande amor nos tem concedido o Pai: que fôssemos chamados filhos de Deus" (1 João 3:1). Através de seu grande amor, Ele enviou Jesus para morrer na cruz, para que pudéssemos "recebermos a adoção de filhos" (Gálatas 4:5).

Paulo continuou discutindo nossa adoção, afirmando dois benefícios que temos como filhos de Deus. "E, porque sois filhos, Deus enviou aos nossos corações o Espírito de seu Filho, que clama: Aba, Pai. Portanto já não és mais servo, mas filho; e se és filho, és também herdeiro por Deus" (Gálatas 4:6-7). Em primeiro lugar, ser filhos de Deus é importante porque significa que temos acesso ao Pai (Gálatas 4:6). Nós somos capazes de "aproximar com confiança ao trono da graça" (Hebreus 4:16) e temos a certeza de que quando oramos a Deus "Ele nos ouve" (1 João 5:15). Em segundo lugar, ser filhos de Deus é importante porque significa que nós temos uma herança (Gálatas 4:7). Essa herança é "incorruptível, incontaminável e imarcescível, reservada nos céus para, [nós]" (1 Pedro 1:4).

Paulo disse aos Gálatas que somos "filhos de Deus mediante a fé" (Gálatas 3:26). Como já vimos em nosso estudo, não podemos agradar a Deus sem fé (Hebreus 11:6). Crer em Cristo nos dá "o direito de se tornarem filhos de Deus" (João 1:12). A palavra certa significa poder ou autoridade. Nós não temos autoridade para ser filhos de Deus sem fé. Nós só podemos nos tornar filhos de Deus através da fé.

Como nos tornamos "filhos de Deus"? Obviamente, é "pela fé em Cristo Jesus" (Gálatas 3:26). Mas do ponto de vista prático, o que significa isto? Ao considerarmos a ilustração usada nas Escrituras sobre como se tornar filhos, devemos pensar nisto em termos de nascer de novo. Jesus disse a Nicodemos: "Em verdade, em verdade vos digo que, se alguém não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus" (João 3: 3). Quando Nicodemos, pensou em termos naturais, questionou Jesus sobre como isso poderia ser feito, Jesus explicou: "Em verdade, em verdade vos digo que, se alguém não nascer da água e do Espírito, não pode entrar no reino de Deus" (João 3:5).

Quando Jesus falou sobre "nascer da água", Ele estava se referindo ao batismo com água. É por isso que Paulo, imediatamente depois de afirmar que somos "filhos de Deus pela fé em Cristo Jesus" (Gálatas 3:26), escreveu: "Porque todos quantos fostes batizados em Cristo vos revestistes de Cristo" (Gálatas 3:27). "Nascemos de novo" quando somos "batizados em Cristo". A fé nos torna um candidato adequado para isso.

A oportunidade de se tornar filhos de Deus não se limita a um determinado grupo de pessoas. Pelo contrário, é aberta a todos. No versículo seguinte, Paulo escreveu: "Não há judeu nem grego; não há escravo nem livre; não há homem nem mulher; porque todos vós sois um em Cristo Jesus" (Gálatas 3:28). Quando Jesus deu aos Seus apóstolos a Grande Comissão, Ele disse: "Ide por todo o mundo e pregai o evangelho a toda criatura. Quem crer e for batizado será salvo; mas quem não crer será condenado" (Marcos 16:15-16). Todos, independentemente da sua origem, podem ouvir o evangelho, desenvolver a fé e responder em obediência – o que inclui ser batizados em Cristo.

Como o evangelho e, portanto, a salvação está aberta a todos, é claro que ser um filho de Deus não vem como resultado do seu nascimento físico. Em vez disso, a pessoa se torna um filho de Deus através de seu renascimento espiritual - nascer de novo nas águas do batismo, um ato ao qual nos submetemos pela fé.

A fé permite que Cristo habite em nossos corações

"que Cristo habite pela fé nos vossos corações" (Efésios 3:17).

Esta foi a oração de Paulo aos Efésios - que Cristo habite pela fé nos vossos corações. O que isso significava para eles? O que significa para nós hoje?

Em muitos aspectos, isso é semelhante à pergunta sobre como o Espírito Santo habita em nós. Se entendermos um, vamos entender o outro. Será que Jesus habita em nós, literalmente, diretamente e pessoalmente? Muitos afirmam isso para o Espírito Santo. No entanto, como veremos, Cristo habita em nós da mesma maneira que o Espírito habita.

É importante notar que Paulo estava escrevendo aos cristãos. Ele se dirigiu a esta carta para "os santos que estão em Éfeso, e fiéis em Cristo Jesus" (Efésios 1:1). Sua oração por estes cristãos foi para que Cristo habitasse em seus corações. Isto é muito diferente do conceito denominacional de alguém convidar Jesus em seu coração. Se este conceito é válido, deveríamos esperar que Paulo escrevesse aos não-cristãos sobre o seu desejo de Cristo habitar em seus corações. Em vez disso, ele escreveu isso para os cristãos. Os cristãos deveriam deixar Cristo habitar em seus corações. Como? Seria "através da fé".

Quando Paulo escreveu à igreja em Colossos, ele disse aos irmãos: "A palavra de Cristo habite em vós ricamente..." (Colossenses 3:16). Isso produziria determinadas ações:
  • Eles cantariam salmos, hinos e cânticos espirituais (Colossenses 3:16).
  • As esposas estariam sujeitas a seus maridos (Colossenses 3:18).
  • Os maridos amariam suas esposas (Colossenses 3:19).
  • Os filhos seriam obedientes a seus pais (Colossenses 3:20).
  • Os pais não provocariam a ira em seus filhos (Colossenses 3:21).
  • Os servos seriam obedientes a seus senhores (Colossenses 3:22-25).
  • Os senhores iriam tratar seus servos justamente (Colossenses 4:1).
Em uma passagem paralela, Paulo explicou como sendo "cheio do Espírito" (Efésios 5:18) iria produzir as mesmas ações por parte dos cristãos:
  • Eles cantariam salmos, hinos e cânticos espirituais (Efésios 5:19).
  • As esposas estariam sujeitas a seus maridos (Efésios 5:22-24).
  • Os maridos amariam suas esposas (Efésios 5:25-28).
  • Os filhos seriam obedientes a seus pais (Efésios 6:1-3).
  • Os pais não provocariam a ira em seus filhos (Efésios 6:4).
  • Os servos seriam obedientes aos seus senhores (Efésios 6:5-8).
  • Os senhores tratariam seus servos com justiça (Efésios 6:9).
A comparação é óbvia. Nós somos "cheios do Espírito" (Efésios 5:18) - o que significa que temos o Espírito Santo habitando em nós - como a "palavra de Cristo ... [habita] dentro de [nós]" (Colossenses 3:16). O Espírito Santo não habita no cristão, literalmente, diretamente ou pessoalmente. Em vez disso, o Espírito Santo habita em nós através da palavra.

Como isso se relaciona com a nossa consideração de como Cristo habita em nossos corações? É fundamental que nos lembramos que Cristo habita em nossos corações, "mediante a fé" (Efésios 3:17).

Sob a nova aliança – sob a que estamos atualmente - a lei de Deus seria escrita nos corações de Seu povo (Hebreus 8:10). Esta palavra que está escrita em nossos corações é a fonte de fé. "Logo a fé é pelo ouvir, e o ouvir pela palavra de Cristo" (Romanos 10:17). A mensagem pregada pelos apóstolos - e que temos de continuar pregando hoje - é "a palavra da fé" (Romanos 10:8).

Observe novamente o que Paulo escreveu aos Efésios: "que Cristo habite pela fé nos vossos corações" (Efésios 3:17). Como Cristo habita em nossos corações? Ele iria fazê-lo por meio da fé (Efésios 3:17). Qual é a fonte da fé? A fé vem da palavra de Deus (Romanos 10:17). Onde é que a palavra de Deus seria escrita? Seria escrita em nossos corações (Hebreus 8:10). Portanto, se nós colocamos tudo junto, podemos concluir que, assim como a palavra de Deus está em nossos corações, Cristo habita em nosso coração também.

Se queremos que Cristo habite em nossos corações através da fé, devemos aceitar a sua palavra de fé e permitir que Sua palavra nos guie pela vida.

A fé nos dá entendimento

"Pela fé entendemos que os mundos foram criados pela palavra de Deus; de modo que o visível não foi feito daquilo que se vê" (Hebreus 11:3).

O escritor aos Hebreus mencionou o verso acima no início do capítulo sobre a fé. Isto expande o que ele disse no primeiro verso: "Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que não se veem" (Hebreus 1:1). Podemos ter certeza e convicção de que temos conhecimento.
 
A fé é mais do que apenas um desejo - gostamos de crer em um Deus amoroso, um Salvador sacrificial, e uma recompensa no céu; nós escolhemos crer. No entanto, a fé bíblica não é uma preferência; ela envolve garantia, convicção e entendimento.

Muitos sustentam o conceito de um "salto de fé". Em outras palavras, eles optam por crer em Deus e Suas promessas contra seu melhor juízo. No entanto, temos provas para a nossa fé. Um exemplo disso é a ressurreição de Jesus. Como qualquer outra questão da história, podemos saber que isso aconteceu com base no testemunho ocular - dos apóstolos (Atos 1:8; 1 João 1:1-4), que estavam dispostos a morrer pelo testemunho da ressurreição de Jesus que apareceu a mais de quinhentos irmãos ao mesmo tempo (1 Coríntios 15:6). Nossa fé em Deus é baseada em fatos, não em desejos.

O que entendemos pela fé? Em primeiro lugar, entendemos que "Deus criou os céus e a terra" (Gênesis 1:1). A criação nos ensina sobre Deus. O salmista escreveu: "Os céus proclamam a glória de Deus; e o firmamento proclama a obra das suas mãos" (Salmo 19:1). Paulo indicou que o mundo criado serviu como um testemunho de Deus "o seu eterno poder e divindade" e diante de tal prova irrefutável; aqueles que negam a existência de Deus se tornam "indesculpáveis" (Romanos 1:20). O mundo não veio por acaso. Ele foi propositadamente criado por Deus para ser "muito bom" (Gênesis 1:31).

Em segundo lugar, entendemos que a palavra de Deus é verdadeira. Isto está implícito no ponto anterior sobre a Criação. Deus criou todas as coisas como Ele disse que fez. Lembre-se, a fé vem da palavra (Romanos 10:17). A palavra de Deus é a verdade (Salmo 119:160; João 17:17). Demonstra ser verdade pelo fato de que ela foi escrita por cerca de quarenta homens diferentes em três línguas diferentes ao longo de um período de 1.500 anos, mas, no entanto, contém um tema consistente e sem contradições reais. Como Jesus disse: "A Escritura não pode ser anulada" (João 10:35). A única explicação sobre como isso pode acontecer é que a Bíblia é a palavra inspirada de Deus (2 Timóteo 3:16).

Em terceiro lugar, entendemos que o que é visto (material) é temporal, mas o que é invisível (espiritual) é eterno. Pela fé nós sabemos buscar as coisas espirituais em primeiro lugar. Jesus disse: "Não ajunteis para vós tesouros na terra; onde a traça e a ferrugem os consomem, e onde os ladrões minam e roubam; mas ajuntai para vós tesouros no céu, onde nem a traça nem a ferrugem os consumem, e onde os ladrões não minam nem roubam. Porque onde estiver o teu tesouro, aí estará também o teu coração" (Mateus 6:19-21). Ele então disse: "Buscai primeiro o seu reino e a sua justiça" (Mateus 6:33). Devido a esse entendimento pela fé que as coisas espirituais devem ter prioridade sobre as coisas materiais, Paulo disse: "Pensai nas coisas do alto, não nas coisas que são da terra" (Colossenses 3:2).

A partir da palavra de Deus - a fonte da fé – nós entendemos sobre Deus, Sua verdade, e a importância das coisas espirituais. Paulo disse aos Efésios: "pelo que, quando ledes, podeis perceber a minha compreensão do mistério de Cristo" (Efésios 3:4). Este entendimento deve ser um entendimento comum. Paulo disse aos irmãos em Corinto "Rogo-vos, irmãos, em nome de nosso Senhor Jesus Cristo, que sejais concordes no falar, e que não haja dissensões entre vós; antes sejais unidos no mesmo pensamento e no mesmo parecer" (1 Coríntios 1:10). Pela fé, podemos compreender o que Deus nos revelou.

A fé é o padrão pelo qual vivemos

"porque andamos por fé, e não por vista" (2 Coríntios 5:7)

O profeta Jeremias reconheceu uma verdade universal - o homem, por conta própria, está perdido. "Eu sei, ó Senhor, que não é do homem o seu caminho; nem é do homem que caminha o dirigir os seus passos" (Jeremias 10:23). Não importa o quanto o homem possa pensar que ele é capaz de dirigir a si mesmo ao longo da vida, ele sempre estará perdido se ele não seguir o padrão de Deus.

Sem Deus, todas as nossas atividades são exercícios inúteis. Este foi o ponto repetido em muitas ocasiões pelo sábio no livro de Eclesiastes. Ele começou seu discurso com estas palavras: "Vaidade de vaidades, diz o pregador; vaidade de vaidades, tudo é vaidade" (Eclesiastes 1:2). Um pouco mais tarde, ele escreveu: "Pelo que aborreci a vida, porque a obra que se faz debaixo do sol me era penosa; sim, tudo é vaidade e desejo vão" (Eclesiastes 2:17). No final do livro, ele declarou sua percepção de que o grande propósito do homem na vida é "Temer a Deus, e guardar os seus mandamentos; porque isto é todo o dever do homem" (Eclesiastes 12:13).

Sem a palavra de Deus, só podemos vagar pela vida sem rumo. O Senhor descreveu esta condição por meio do profeta Amós: "Eis que vêm os dias, diz o Senhor Deus, em que enviarei fome sobre a terra; não fome de pão, nem sede de água, mas de ouvir as palavras do Senhor. Andarão errantes de mar a mar, e do Norte até o oriente; correrão por toda parte, buscando a palavra do Senhor, e não a acharão" (Amós 8:11-12). O homem sabe que precisa de direção e propósito. Quando as pessoas buscam direção fora da Palavra de Deus, elas andam errantes procurando o que devem seguir (Palavra de Deus), embora muitas vezes eles não sabem que é isso o que elas precisam.

No entanto, por meio da fé temos direção. Paulo escreveu: "porque andamos por fé, e não por vista" (2 Coríntios 5:7). Nosso propósito se estende para além desta vida – para o que ainda não é visto. Mas nós conduzimos nossas vidas na fé - confiando nas promessas de Deus e confiando em Sua Palavra para nos proporcionar a direção certa.

O homem mundano vive sua vida sem qualquer propósito duradouro. Novamente, considere o que o sábio escreveu sobre a futilidade da vida quando esquecemos ou ignoramos Deus: "Todas as coisas são trabalhosas; o homem não o pode exprimir; os olhos não se fartam de ver, nem os ouvidos se enchem de ouvir. O que foi, isso é o que há de ser; e o que se fez, isso se fará; de modo que nada há de novo debaixo do sol. Há alguma coisa de que se possa dizer: Vê, isto é novo? Já foi nos séculos passados, que foram antes de nós. Já não há lembrança das coisas que precederam, e das coisas que hão de ser também delas não haverá lembrança, entre os que hão de vir depois" (Eclesiastes 1:8-11). Por mais que o homem não queira a situação descrita pelo sábio é verdadeira, eventualmente, todo mundo entende a verdade nestas palavras. Quando nosso propósito é focado nesta vida, não tem sentido no final.

Em contraste, aqueles que têm fé em Deus tem um propósito duradouro: "Temer a Deus, e guardar os seus mandamentos; porque isto é todo o dever do homem" (Eclesiastes 12:13). É por isso que Paulo, citando o profeta Habacuque, escreveu: "Mas o justo viverá da fé" (Romanos 1:17). Nossa existência é focada em viver a nossa fé e na esperança prometida a nós na Palavra de Deus.

A fé nos proporciona um padrão perfeito para as nossas vidas. Apesar de suas demandas, temos a bênção de saber a direção que devemos tomar quando seguimos a palavra de Deus.

A fé nos dá estabilidade

"arraigados e edificados nele, e confirmados na fé, assim como fostes ensinados, abundando em ação de graças" (Colossenses 2:7).

Paulo disse aos Colossenses que eles estavam arraigados e confirmados na fé. Mais uma vez, observamos que a fonte da fé é a palavra de Deus (Romanos 10:17). Estamos estabelecidos quando seguimos o que Ele nos instruiu em Sua Palavra.

Paulo disse aos Efésios que tendo a "unidade da fé" significava que eles não seriam "levados ao redor por todo vento de doutrina" (Efésios 4:13-14). Através da fé, somos capazes de nos manter firmes.

Porque a estabilidade é importante? Nós todos vamos enfrentar problemas na vida que irão produzir turbulência e provará a nossa fé. Ter uma fé estável nos ajuda a suportar as provações e tentações que virão. Tiago escreveu: "Meus irmãos, tende por motivo de grande gozo o passardes por várias provações, sabendo que a aprovação da vossa fé produz a perseverança; e a perseverança tenha a sua obra perfeita, para que sejais perfeitos e completos, não faltando em coisa alguma" (Tiago 1:2-4). Embora as provações que enfrentamos irão provar a nossa fé, se nos apegarmos à nossa fé, estas provações acabarão por reforçar a nossa fé e nos fazer "completos".

Mais tarde, no mesmo capítulo, Tiago escreveu: "Cada um, porém, é tentado, quando atraído e engodado pela sua própria concupiscência; então a concupiscência, havendo concebido, dá à luz o pecado; e o pecado, sendo consumado, gera a morte" (Tiago 1:14-15). Além das provações da vida que todos nós enfrentamos, também enfrentamos tentações para o pecado. Estas tentações são ataques de Satanás. Nossa fé nos protege (Efésios 6:16), para que possamos "resisti-lo" (1 Pedro 5:9). [Mais informações sobre este ponto no próximo ponto]

Sem a fundação certa, as provações da vida irão nos submergir. No final do Sermão da Montanha, Jesus descreveu aquele que construiu a sua casa sobre uma base errada: "Mas todo aquele que ouve estas minhas palavras, e não as põe em prática, será comparado a um homem insensato, que edificou a sua casa sobre a areia. E desceu a chuva, correram as torrentes, sopraram os ventos, e bateram com ímpeto contra aquela casa, e ela caiu; e grande foi a sua queda" (Mateus 7:26-27). Sem a fundação certa - ouvir as palavras de Cristo e obedecê-las - as dificuldades da vida seriam demais para suportar.

Na parábola do semeador, Jesus explicou o significado do "solo rochoso" como "os que, ouvindo a palavra, a recebem com alegria; mas estes não têm raiz, apenas creem por algum tempo, mas na hora da provação se desviam" (Lucas 8:13). Sem uma raiz forte - o que envolve ser "estabelecido em [sua] fé" (Colossenses 2:7) – o indivíduo só vai seguir a Cristo quando for conveniente fazê-lo. Quando a vida do cristão se tornar difícil, ele vai submergir.

Em contraste com estes exemplos, devemos ter fé que nos dará uma base firme. Como a fé fornece este tipo de fundação? Observe o que Jesus disse: "Todo aquele, pois, que ouve estas minhas palavras e as põe em prática, será comparado a um homem prudente, que edificou a casa sobre a rocha. E desceu a chuva, correram as torrentes, sopraram os ventos, e bateram com ímpeto contra aquela casa; contudo não caiu, porque estava fundada sobre a rocha" (Mateus 7:24-25). Devemos ouvir a Sua Palavra e obedecê-la. Este é o sinal de uma fé forte e vai ajudar-nos a suportar as provações da vida.

Mais uma vez, na parábola do semeador, Jesus explicou que a "boa terra" representa "os que, ouvindo a palavra com coração reto e bom, a retêm e dão fruto com perseverança”. (Lucas 8:15). Devemos nos apegar a sua palavra e dar frutos em nosso serviço a Ele. Isto não só irá nos levar a agradá-Lo, mas também nos ajudará a não voltar para o mundo.

Podemos ter estabilidade na vida pela fé. Isso não significa que não teremos que enfrentar provações e turbulência na vida, mas nossa fé nos proporciona uma base sólida de maneira que podemos ver além dos problemas da vida para a recompensa que Deus prometeu.

A fé é um escudo para proteger-nos

"tomando, sobretudo, o escudo da fé, com o qual podereis apagar todos os dardos inflamados do Maligno" (Efésios 6:16).

Estamos envolvidos em uma guerra espiritual. Paulo disse a Timóteo: "Combate o bom combate da fé" (1 Timóteo 6:12). Ele disse à igreja em Corinto: "Porque, embora andando na carne, não militamos segundo a carne, pois as armas da nossa milícia não são carnais, mas poderosas em Deus, para demolição de fortalezas; derribando raciocínios e todo baluarte que se ergue contra o conhecimento de Deus, e levando cativo todo pensamento à obediência a Cristo" (2 Coríntios 10:3-5).

Nesta guerra, estamos lutando contra o inimigo mais poderoso conhecido pelo homem - o próprio diabo. Paulo escreveu: "Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para poderdes permanecer firmes contra as ciladas do Diabo; pois não é contra carne e sangue que temos que lutar, mas sim contra os principados, contra as potestades, conta os príncipes do mundo destas trevas, contra as hostes espirituais da iniquidade nas regiões celestes" (Efésios 6:11-12).

No entanto, apesar do fato de que estamos diante de um adversário formidável, o Senhor é maior. João escreveu: "Filhinhos, vós sois de Deus, e já os tendes vencido; porque maior é aquele que está em vós do que aquele que está no mundo" (1 João 4:4). No livro do Apocalipse, a batalha contra o bem e o mal é descrito e o resultado é revelado: "Estes combaterão contra o Cordeiro, e o Cordeiro os vencerá, porque é o Senhor dos senhores e o Rei dos reis; vencerão também os que estão com ele, os chamados, e eleitos, e fiéis" (Apocalipse 17:14). Portanto, podemos ter confiança nesta luta. O Senhor será vitorioso.

No entanto, o fato de que o resultado é determinado não significa que não há nada que devemos fazer na causa de Cristo. Nós ainda devemos nos preparar para lutar por ele. O homem sábio disse: "O cavalo prepara-se para o dia da batalha; mas do Senhor vem a vitória" (Provérbios 21:31). Deus espera que o homem faça o que ele pode e Deus vai lidar com o que está além da nossa capacidade.

Paulo disse que devemos "tomar toda a armadura de Deus" (Efésios 6:11). Em seguida, ele descreveu esta armadura em mais detalhes: "Portanto tomai toda a armadura de Deus, para que possais resistir no dia mal e, havendo feito tudo, permanecer firmes. Estai, pois, firmes, tendo cingidos os vossos lombos com a verdade, e vestida a couraça da justiça, e calçando os pés com a preparação do evangelho da paz, tomando, sobretudo, o escudo da fé, com o qual podereis apagar todos os dardos inflamados do Maligno. Tomai também o capacete da salvação, e a espada do Espírito, que é a palavra de Deus" (Efésios 6:13-17).

Uma peça da nossa armadura é o "escudo da fé" (Efésios 6:16). Um escudo é usado para se defender contra os ataques e, quando usado corretamente, é projetado para proteger todo o soldado.

Satanás está sempre à procura de alguém que seja vulnerável a ataques. Pedro descreveu-o como "um leão que ruge, procurando alguém para devorar" (1 Pedro 5:8). Pedro advertiu sobre ele, não de modo que poderíamos considerar nossa luta sem esperança e nossa derrota certa, mas para que possamos "estar alertas" e "resistir a ele" (1 Pedro 5:8-9). Como podemos resistir ao diabo? Pedro respondeu: "resisti firmes na fé, sabendo que os mesmos sofrimentos estão-se cumprindo entre os vossos irmãos no mundo" (1 Pedro 5:9). Precisamos de uma fé firme, se quisermos permanecer firmes contra os ataques de Satanás.

Quanto mais forte a nossa fé, melhor seremos capazes de nos defender contra o diabo. Nós fortalecemos a nossa fé através do nosso conhecimento da palavra de Deus, pois é a fonte da fé (Romanos 10:17). Portanto, vamos estudar as Escrituras para que possamos conhecê-los e usar nossa fé para nos proteger dos ataques do inimigo.

A fé nos dá a vitória sobre o mundo

"porque todo o que é nascido de Deus vence o mundo; e esta é a vitória que vence o mundo: a nossa fé" (1 João 5:4).

Através da fé, podemos vencer o mundo. Mas o que é "o mundo" a que João se refere?

O mundo neste versículo não é a criação física. Deus chamou este de "muito bom" (Gênesis 1:31). Como observamos anteriormente, a criação física é na verdade projetada para produzir fé em nós (Romanos 1:20).

Em vez disso, este mundo que queremos superar pela fé engloba tudo o que se opõe a Deus e Seu reino espiritual. Como observamos no ponto anterior, estamos envolvidos numa guerra espiritual (1 Timóteo 6:12, 2 Coríntios 10:3-5). Como vimos, a fé é um escudo para fornecer-nos proteção (Efésios 6:16). No entanto, mais do que apenas proteger-nos contra o inimigo, a fé nos permite derrotar e vencer o inimigo. Este inimigo é Satanás - "o deus deste mundo" (2 Coríntios 4:4) - e podemos ser vitoriosos sobre o mundo através da fé.

É importante que nós entendamos que o mundo como um todo está contra nós e está tentando nos fazer voltar contra Deus. Tiago advertiu: "Infiéis, não sabeis que a amizade do mundo é inimizade contra Deus? Portanto qualquer que quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus" (Tiago 4:4). Quando Tiago alertou sobre "a amizade do mundo", ele referiu-se aos povos do mundo que se recusam a submeter-se a autoridade de Deus.

Paulo advertiu os coríntios sobre o "jugo desigual com os incrédulos" (2 Coríntios 6:14). Não podemos evitar todo o contato com aqueles no mundo (1 Coríntios 5:9-10), mas temos de nos proteger contra a má influência das pessoas do mundo. É por isso que "a amizade do mundo" é tão perigosa. Os amigos têm uma grande influência sobre nós. Quando os nossos amigos não estão alinhados com Deus, a influência pode (e muitas vezes vai) afastar-nos dEle. Paulo escreveu: "Não vos enganeis: as más companhias corrompem os bons costumes" (1 Coríntios 15:33). Nós, inevitavelmente temos que fazer uma escolha - para agradar os nossos amigos do mundo ou para agradar a Deus. Paulo disse: "...se estivesse ainda agradando aos homens, não seria servo de Cristo" (Gálatas 1:10). Se valorizamos nossas amizades com aqueles no mundo e agimos de forma a mantê-los como amigos, nós, eventualmente, teremos que fazer as coisas que são contrárias à palavra de Deus, tornando-nos "inimigos de Deus" (Tiago 4:4).

Uma vez que a influência do mundo pode muitas vezes parecer fortes, devemos lembrar que este mundo é apenas temporário. João escreveu: "Ora, o mundo passa, e a sua concupiscência; mas aquele que faz a vontade de Deus, permanece para sempre" (1 João 2:17). Jesus disse aos seus apóstolos: "Se fôsseis do mundo, o mundo amaria o que era seu; mas, porque não sois do mundo, antes eu vos escolhi do mundo, por isso é que o mundo vos odeia” (João 15:19). Isto é verdade para nós também. Podemos optar por viver como o mundo para sermos aceitos por eles. Mas qual seria o ponto? Este mundo um dia será destruído (2 Pedro 3:10). Nesse ponto, tudo o que importará será se estávamos ou não do lado do Senhor. O que o mundo pensa de nós será infinitamente insignificante.

No final de uma longa discussão sobre a ressurreição, Paulo escreveu: "Mas graças a Deus, que nos dá a vitória por intermédio de nosso Senhor Jesus Cristo" (1 Coríntios 15:57). Mais uma vez, como observamos no ponto anterior, o resultado desta batalha já foi decidido. "Estes combaterão contra o Cordeiro, e o Cordeiro os vencerá, porque é o Senhor dos senhores e o Rei dos reis; vencerão também os que estão com ele, os chamados, e eleitos, e fiéis" (Apocalipse 17:14). A vitória é através de Cristo. Nós seremos vitoriosos com Ele através da fé.

A fé nos salva

"alcançando o fim da vossa fé, a salvação das vossas almas" (1 Pedro 1:9).

No final, se permanecermos fiéis ao Senhor, o resultado será a salvação eterna. Como Pedro disse, o "resultado" da fé é a "salvação" (1 Pedro 1:9).

Paulo fez este mesmo ponto em sua segunda carta a Timóteo. Ele escreveu: "...desde a infância sabes as sagradas letras, que podem fazer-te sábio para a salvação, pela que há em Cristo Jesus" (2 Timóteo 3:15). A salvação é "pela fé". Que a fé em última análise, vem dos "escritos sagrados" que produzem "sabedoria". Em outras palavras, "A fé vem pelo ouvir, e o ouvir pela palavra de Cristo" (Romanos 10:17).

Paulo também disse aos irmãos em Éfeso: "Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus" (Efésios 2:8). Somos salvos pela graça mediante a fé. Mais uma vez, a salvação está ligada necessariamente à fé. Nós não podemos ser salvos sem ter fé em Deus.

Claro que, quando a Bíblia ensina que a fé nos salva, ela não está dizendo que somos salvos pela fé somente, embora isso é o que muitos no mundo denominacional ensinam. Eles acreditam que a única parte que o homem desempenha na salvação é reconhecer mentalmente e aceitar o fato de que Jesus é o Filho de Deus e que Ele morreu na cruz por seus pecados. Muitos dos que acreditam nisso, acreditam também que só é possível alguém ter essa "fé" se for dada a ele por Deus. Em outras palavras, eles acreditam que Deus escolheu arbitrariamente alguns para serem salvos e derramou sobre eles uma medida de fé para que eles possam ser salvos. A conclusão inevitável deste pensamento é que aqueles que estão perdidos, são aqueles que Deus simplesmente não deseja salvar. No entanto, o apóstolo Paulo disse que Deus "quer que todos os homens sejam salvos" (1 Timóteo 2:4).

A fé salva. Não só isso, mas todos podem ser salvos pela fé. No entanto, esta fé é mais do que apenas um reconhecimento mental de algumas verdades sobre Cristo. Tiago escreveu: "Vedes então que é pelas obras que o homem é justificado, e não somente pela fé”. (Tiago 2:24). Nos versículos circundantes, Tiago abordou o ponto que a fé - fé real - e obras são inseparáveis um do outro. "Assim também a fé, se não tiver obras, é morta em si mesma. Mas dirá alguém: Tu tens fé, e eu tenho obras; mostra-me a tua fé sem as obras, e eu te mostrarei a minha fé pelas minhas obras" (Tiago 2:17-18). "Pois, assim como o corpo sem o espírito está morto, assim também a fé sem obras é morta" (Tiago 2:26).

As Escrituras são claras de que uma fé salvadora é uma fé obediente. A missão de Paulo como um apóstolo de Cristo e pregador do evangelho era "levar a obediência da fé entre todos os gentios" (Romanos 1:5). Ele também fechou sua carta a Roma com o mesmo ponto sobre a "obediência da fé" (Romanos 16:26).

Sem uma fé obediente, não podemos ser salvos. O escritor de Hebreus diz que Jesus "veio a ser autor de eterna salvação para todos os que lhe obedecem” (Hebreus 5:9). Paulo indicou que quando o Senhor voltar em juízo, haverá dois tipos de pessoas que estarão perdidas - "aqueles que não conhecem a Deus e ... aqueles que não obedecem ao evangelho" (2 Tessalonicenses 1:8). Ele passou a dizer: "os quais sofrerão, como castigo, a perdição eterna, banidos da face do senhor e da glória do seu poder" (2 Tessalonicenses 1:9).

Através da fé, podemos escapar da "destruição eterna" (2 Tessalonicenses 1: 9) que merecemos. Paulo escreveu: "Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus nosso Senhor" (Romanos 6:23). A salvação é um dom gratuito. Podemos aceitá-la pela fé. Mas como é que vamos definir fé? Será que vamos ouvir os homens ou aceitar a definição dada para nós na Palavra de Deus? O destino eterno de nossa alma depende de nós sabermos a resposta certa para essa pergunta e agir sobre ela.

Conclusão

O apóstolo Pedro descreveu a fé que alguém pode ter como "mais preciosa do que o ouro" (1 Pedro 1: 7). Não importa o que poderíamos esperar ganhar nesta vida, nada é tão importante quanto a nossa fé em Deus.

Para nos lembrar da importância da fé, observe novamente os pontos que consideramos:
  • A fé nos permite agradar a Deus (Hebreus 11:6).
  • A fé leva a nossa justificação (Romanos 5:1).
  • A fé nos permite ser filhos de Deus (Gálatas 3:26).
  • A fé permite que Cristo habite em nossos corações (Efésios 3:17).
  • A fé nos dá entendimento (Hebreus 11:3).
  • A fé é o padrão pelo qual vivemos (2 Coríntios 5:7).
  • A fé nos dá estabilidade (Colossenses 2:7).
  • A fé é um escudo para proteger-nos (Efésios 6:16).
  • A fé nos dá a vitória sobre o mundo (1 João 5:4).
  • A fé nos salva (1 Pedro 1:9).
No final, como o nosso tempo na terra se aproxima do fim, tudo o que importa é saber se podemos fazer a mesma afirmação como Paulo: "Combati o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé" (2 Timóteo 4:7). Se mantivermos a fé, receberemos a recompensa "a coroa da justiça" (2 Timóteo 4:8). Vamos ser "fiel até à morte" (Apocalipse 2:10), para que não percamos a recompensa que Deus tem oferecido para nós.

Nenhum comentário

Os comentários deste blog são todos moderados, ou seja, eles são lidos por nós antes de serem publicados.

Não serão aprovados comentários:
1. Não relacionados ao tema do artigo;
2. Com pedidos de parceria;
3. Com propagandas (spam);
4. Com link para divulgar seu blog;
5. Com palavrões ou ofensas a quem quer que seja.

ATENÇÃO: Comentários com links serão excluídos!

Tecnologia do Blogger.